As delícias de ser saudável

Saúde e gastronomia: a junção, cada vez mais popular, mostra que ambos podem andar lado a lado.

17/08/2015 14:56 / Por: Alan Bordallo. Fotos: Dudu Maroja
As delícias de ser saudável
Esqueça a ideia de que comida só é boa se fizer mal, ou de que não existe graça nenhuma em ter uma alimentação equilibrada e correta. Belém já possui um leque bem variado de opções para quem procura gostosuras sem sair da linha, e a RLM foi atrás de conhecer alguns deles. E avisa: vai ser difícil chegar ao fim dessa matéria sem ficar com água na boca.
 
Foi com sabores exóticos e originais que a multifacetada culinária paraense conquistou fãs Brasil e mundo afora, incluindo em cardápios refinados nomes indígenas inusitados como “jambu”, “cumaru” ou “maniçoba”. Mas até mesmo em Belém, de onde se emancipou a gastronomia típica do Pará, há quem adapte itens indispensáveis do cardápio tradicional a opções menos calóricas e mais saudáveis. Para elaborar um roteiro gastronômico alternativo na capital paraense, consultamos três restaurantes: Govinda, Santé Saudável e Grão - Culinária Saudável, que garantem que uma alimentação balanceada e, também, gostosa, está longe de se resumir a doses infinitas de frango e batata doce (spoiler: batatas doces foram usadas nesta reportagem). 
 
Adepto do vegetarianismo desde que adotou a religião Hare Krishna, Francisco Gomes acompanhava, ainda que de longe, o surgimento de restaurantes vegetarianos em Belém. Algumas idas a Índia – onde viveu junto com a esposa Ivaneid Gomes em templos budistas – depois, Gomes utilizou o que aprendeu com os monges em termos de alimentação para formatar a ideia do Govinda, restaurante lacto-vegetariano fundado em junho de 2009 – e que continua a provar que é possível se alimentar bem sem comer carne. 
 
E assim como seu xará famoso, companheiro de Sidarta no livro homônimo de Hermann Hesse, o Govinda que está incrustado no centro histórico de Belém também atingiu seu Nirvana, e em dobro: em 2013 e 2014 o restaurante venceu o concurso de melhor PF [prato feito] do Brasil, com a maniçoba e em seguida o vatapá vegetariano. É de comer rezando. Ou melhor, meditando. “Nós vimos que havia interesse nesse tipo de alimentação, mas que o desafio era conseguir fazer os pratos na linha vegetariana e satisfazer o paladar”, explica Gomes.
 
A saída para resolver o dilema foi simples: mesclar o tempero indiano ao paraense. “Estamos em uma região única, com muitos insumos, e não poderíamos deixar de aproveitar essas preciosidades para enriquecer os pratos indianos”, diz Gomes. A maniçoba, por exemplo, tem entre outros ingredientes, queijo provolone, azeitona e proteína de soja. E assim o Govinda continua buscando “vegetarianos em potencial”.
 
A busca por uma alimentação saudável quase sempre está atrelada a uma filosofia de vida. Enquanto no caso do Govinda o motivo primordial é religioso, para restaurantes como o Santé Saudável e o Grão - Culinária Saudável, um cardápio balanceado está ligado à busca por qualidade de vida em um mundo cada vez mais agitado. E quem já fez a opção por alimentos mais leves garante que é difícil voltar atrás e cair novamente na tentação do junk food. “A partir do momento em que nos alimentamos com ingredientes naturais, com alimentos com menos conservantes, você fica mais disposto, com o corpo menos fadigado, e tem um dia mais produtivo. Você sente o corpo mais leve”, diz Rafael Menezes, que idealizou o Santé Saudável, que atende por delivery por telefone ou internet, para atender a quem tinha anseios parecidos com os seus. “Eu mesmo já procurava alimentação mais saudável e não encontrava, principalmente à noite”.
 
 
Antigamente, quem se encontrava nesta dúvida, apelaria, sem pestanejar, para o fast food. Para Mário Monte, do Grão – Culinária Saudável, o hábito é fruto de uma cultura disseminada nos tempos atuais, mas que aos poucos vem sendo quebrada. “Estamos o dia inteiro conectados ao trabalho, ao mercado. Essa sensação de conectividade durante as 24 horas do dia, sobretudo ligadas a compromissos que julgamos inadiáveis, deixou por muito tempo uma noção de que tudo o que não fosse trabalho poderia ficar em segundo plano. E assim a alimentação ficou comprometida”, justifica. Para mudar o cenário, Mário criou o Grão, primeiro restaurante no ramo da alimentação funcional de Belém, que tem a cozinha assinada pela chef Lidiane Martins. “As pessoas estão buscando equilibrar o trabalho, o estudo, a rotina, com saúde, boa alimentação e prática de exercícios físicos. Não à toa assistimos o ‘boom’ da era fitness nas redes sociais, o que muito contribui para inspirar pessoas a viverem mais saudáveis e mais felizes”, diz Mário, que considera o momento atual como “uma nova era de culto ao equilíbrio e bem-estar, tanto do corpo, quanto da mente”.
 
No restaurante, que também atende por delivery além do salão, a produção dos alimentos é feita diariamente, sem o uso de conservantes, glúten, soja ou lactose; o sal comum é substituído por um sal com ervas (feito na própria cozinha), e a manteiga comum dá lugar à manteiga ghee, um óleo purificado de manteiga, sem toxinas. Mas, para não radicalizar, o cardápio – mudado duas vezes por ano – oferece também opções de hambúrguer. “O tradicional hambúrguer da casa feito de patinho moído que é considerada a carne mais magra e proteica do boi. Conseguimos entregar muito mais do que uma refeição, um valor: vida em equilíbrio, onde o cliente estiver”, acrescenta Mário.
 
Na cozinha do Santé Saudável, tudo também se transforma. Uma das novas invenções, por exemplo, foi apresentada em primeira mão para a reportagem: a batata doce recheada, acompanhada de carne seca, pasta de queijo light e farofa maromba (à base de soja, com gergelim). “O público paraense consome sua cultura. E não temos como falar de culinária sem falar da culinária de origem. Então demos uma roupagem nova a alguns pratos típicos como o pato no tucupi, que virou arroz de pato, e a maniçoba, acompanhada do arroz paraense”, disse Rafael. E se seu roteiro gastronômico for comodista, o Santé está alinhado à praticidade do delivery e entrega suas iguarias em embalagens de polietileno, que podem ser levadas ao micro-ondas. 
 
Serviço
 
Govinda:
Sexta das 11:30h às 15:00h • Sábado das 11:30h às 14:30h
Todas as refeições custam R$ 23.
Cardápio: restaurantegovinda.com.br/cardapio/
 
Santé Saudável: 
De terça a domingo, das 10 às 14 horas e das 18 às 22h45.
Sanduíches de R$ 15 a R$ 20 e refeições de R$ 28 a R$ 34.
Cardápio: santesaudavel.com.br
 
Grão – Culinária Saudável:
De terça a domingo, das 10 às 14 horas e das 18 às 22 horas.
Pratos de R$ 26 a R$ 34.
Cardápio: graorestaurante.com.br

Mais matérias Pará

publicidade

Apresentador

Patrocinador

AMANCO

Apoiador

BC Frio RL Metalúrgica